Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Bobinas de aço aumentam transporte de cargas no porto da Capital

Movimentação do produto deve alcançar 33 mil toneladas até o fim do ano

Publicação:

Navio Pacific Basin veio de Minas Gerais com 400 toneladas da matéria-prima
Navio Pacific Basin veio de Minas Gerais com 400 toneladas da matéria-prima - Foto: Érika Ferraz/ST
Por Juliana Pretto/Ascom ST
00:00:00/00:00:00

Bobinas de aço aumentam transporte de cargas no porto da Capital

Movimentação do produto deve alcançar 33 mil toneladas até o fim do ano Crédito: Angélica Coronel/Ascom ST

Download

Os navios carregados com bobinas de aço se tornaram visitas frequentes ao porto de Porto Alegre. Desde a greve dos caminhoneiros, em maio, o material – que vem do Sudeste do país – trocou as estradas pelas hidrovias e tem ajudado a aquecer o setor portuário gaúcho.

O último navio a atracar no porto foi o Pacific Basin, que trouxe quatrocentas bobinas de aço na última sexta-feira (30). É o quinto desembarque na Capital desde julho. Nesse período, sete mil toneladas do produto já desembarcaram de Minas Gerais para servir de matéria-prima a indústrias gaúchas, como General Motors, Gerdau e Tramontina.

O chefe de divisão do porto, Régis Oppelt, explica que a retomada dos serviços pelos canais hidroviários alavancou a capacidade de novas cargas chegarem ao Rio Grande do Sul. “São mercadorias diferenciadas com as quais o porto não trabalhava há dez anos. Se continuarmos nesse ritmo, teremos um acréscimo de 10% na movimentação de cargas e 7% na receita”, salienta.

A movimentação do produto deve alcançar 33 mil toneladas até o final do ano. A siderúrgica Usiminas pretende trazer ainda mais pedidos para o Rio Grande do Sul. “Hoje, são dois navios por mês chegam com as bobinas, mas a nossa expectativa é de receber um por semana em 2019”, projeta Oppelt.

Armazenamento das bobinas após operação de descarregamento
Armazenamento das bobinas após operação de descarregamento - Foto: Érika Ferraz/ST

O descarregamento do produto exige cautela e paciência: para retirar todas as bobinas do navio, são necessários dois dias e meio, além de boas condições climáticas. De acordo com o responsável pela operação portuária da agência marítima Orion, Erivelto Pires, “a carga também requer um cuidado extremo, com uma armazenagem bem condicionada, pois é um material delicado”, destaca.

Pires avalia de forma positiva as operações realizadas na Capital. “Almejamos o aumento dos serviços. A nossa previsão para 2019 é de uma parceria ainda mais expressiva com o porto gaúcho”, finaliza.

Segundo a administração portuária, as bobinas de aço devem se tornar o terceiro maior produto transportado via porto de Porto Alegre – atrás apenas dos fertilizantes e da cevada.

Secretaria dos Transportes